Excesso de álcool agride o organismo

Tontura, mal-estar, um gosto amargo na boca, a cabeça prestes a explodir e a estranha sensação de que algo não lhe fez muito bem. Não, não é o mundo que está se acabando, nem é culpa daquela conhecida "azeitona", é o seu corpo reagindo aos seus excessos no copo.

A boa e velha ressaca é exatamente isso: uma resposta do organismo a uma agressão que sofreu. O excesso de álcool inflama o aparelho digestivo, faz a cabeça doer, provoca náuseas, vômitos, aumenta a sensibilidade à luz e causa desidratação.

No período momesco, em que parece que todos acabam se excedendo e tomando umas doses a mais, aí vão algumas dicas para sobreviver ao dia seguinte.

De acordo com especialistas, não adianta tomar comprimidos, chás ou mezinhas para evitar o porre e não sentir os efeitos da ressaca. A única maneira eficaz de se manter longe da "famigerada" ressaca é beber moderadamente.

Se você não conseguir se controlar e tomar umas além da conta, lembre-se de manter o estômago cheio. Quando você come, torna mais lenta a entrada do álcool na corrente sanguínea.

E já que o negócio é comer, capriche nos alimentos ricos em sal e gordura, como castanha, amendoim, queijo e salaminho, que estimulam a secreção de substâncias estomacais que protegem o estômago do álcool. Mas isso, só enquanto você bebe. Depois da farra, o ideal são alimentos leves e ricos em potássio, como melancia, alface, espinafre, brócolis, couve, cenoura e uva. Pães, batata e massas também ajudam na recuperação. Evite gorduras, que podem acabar agredindo ainda mais o seu aparelho digestivo.

Consumir açúcar também é recomendado, já que quando você bebe, o corpo gasta glicose para metabolizar o álcool, provocando a redução de açúcar no sangue (hipoglicemia). Então, capriche nos sorvetes e doces de frutas.

Mas, o grande segredo para não se embebedar é também o santo remédio para a tão temível ressaca: água. Beba bastante água antes, durante e depois da bebedeira. Ela pode até não evitar a ressaca por completo, mas irá ajudar e muito na recuperação. A água reidrata, dilui o álcool e facilita o trabalho dos rins e do fígado.
Fonte: Ana Paula Cadengue - Jornal O Mossoroense

0 comentários! Clique aqui e comente!:

Publicar um comentário